Introdução

Instruções para acessar os servidores: InstrucoesDeAcesso

Informações sobre o sistema de submissão simplificado (GO): SubmissaoSimplificada

Utilização

  • Crie um arquivo de parâmetros (ex: caso.go) como explicado abaixo
  • (apenas para a opção -grid) Crie um certificado de proxy (myproxy-logon) com uma duração maior que a do seu job
  • Execute "go caso.go"

Isso cria e envia o seu job para o grid. Caso não queira enviar imediatamente, utilize a opção "-nosubmit". O arquivo de submissão será criado com o nome de "caso.go.submit".

Caso você tenha especificado checkpoints ou arquivos de progresso, eles serão automaticamente copiados para esse diretório.

IMPORTANTE: NÃO USE ESPAÇOS NOS NOMES DOS ARQUIVOS

Utilizando o GO para enviar programas compilados pelo próprio usuário

É possível utilizar o GO para enviar programas desenvolvidos ou compilados pelo próprio usuário. Dessa forma o processo se beneficia de todas as facilidades do GO, como usar diretórios temporários e salvar arquivos periodicamente, com a flexibilidade de compilar a própria aplicação.

O executável (programa) pode ser um script ou um binário. No caso de binários, lembre-se que os servidores de processamento possuem uma quantidade limitada de bibliotecas, sendo recomendado a criação de binários estáticos ou só "linkados" com as bibliotecas de sistema.

Nessa situação não utilize a opção APP. Apenas a omita.

Exemplo

Exemplo:

EXEC=executavel
CASE=nome_do_caso
ARGS="argumento1 argumento2" 
INPUT="arquivo_de_entrada" 
OUTPUT="arquivo_de_saida_1 arquivo_de_saida_2" 

Opções

Opções comuns

  • CASE - Nome do caso. Define o nome de arquivos de entrada, log e saida. Padrão: (nome do arquivo de parâmetros, sem a extensão)
  • HOSTS - Número de hosts (processos) para a execução. Padrão: 1
  • QUEUE - Fila do processo. Opções: short, medium, long Padrão: short (24 horas)
  • LARGE_FILES - Suporte a arquivos de simulação maiores que 8GB. Padrão: false

Opções avançadas

  • EXEC - executável
  • TRANSFER_EXEC - se transfere o executável
  • ARGS - argumentos
  • INPUT - arquivos de entrada, separados por espaço
  • OUTPUT - arquivos de saída, separados por espaço
  • PROGRESS - arquivo que exibe o progresso da simulação
  • WAIT_PROGRESS - tempo de atualização do progresso, em segundos. Padrão: 15 min.
  • CHECKPOINT - arquivo de checkpoint
  • WAIT_CHECKPOINT - tempo de atualização do checkpoint, em segundos. Padrão: 3 horas.
  • HOSTS - Número de hosts (processos) para a execução. Padrão: 1
  • PPH - Process per host. Opção para programas SMP. Padrão: 1. Máximo:8
  • MPI - Se o executável deve ser chamado em ambiente MPI
  • SHARED_FS - Utiliza um sistema de arquivos compartilhado (útil para aplicações MPI)
  • CORE_MEM - Memória RAM por core, em GB. Padrão: 2. Máximo: 16

Dicas

  • Não utilize espaço no nome dos arquivos
  • Caso o parâmetro tenha espaço (ex: INPUT="arquivo_1 arquivo_2") utilize aspas duplas (")
  • Ao especificar arquivos da saída, progresso ou checkpoint, é possível usar caracteres coringa do bash. Exemplo: OUTPUT="f*.dat x.out" copiará todos os aquivos que começam com f e tem a extensão .dat, mais o arquivo x.out. *Não é possível usar essa expansão para arquivos de entrada (INPUT).